BLOG

Qual a relação entre o teste do marshmallow e o seu dinheiro?

Experimento mostra o quão difícil é renunciar a um prazer imediato em troca de uma recompensa maior no futuro

O teste do marshmallow foi uma série de experimentos realizados com crianças na década de 1960 por um psicólogo chamado Walter Mischel, na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos.

Crianças de quatro a cinco anos foram colocadas individualmente em uma sala com apenas um marshmallow em uma mesa, bem em frente a elas. A instrutora explicava, então, que, caso elas conseguissem resistir à tentação de comê-lo em 15 minutos, ganhariam mais um doce.

Mas o que este teste tem a ver com o seu dinheiro?

O experimento mostra o quão difícil é renunciar a um prazer imediato em troca de uma recompensa maior no futuro.

Nós temos muita dificuldade em resistir às tentações, mesmo quando sabemos o que realmente é bom para nós. Pare e pense: quantas vezes precisamos praticar o autocontrole diariamente? Procrastinamos por diversas vezes, perdemos tempo em redes sociais, não resistimos a uma sobremesa, usamos o celular ao dirigir, fazemos compras por impulso, entre tantas outras coisas. Essa dificuldade de autocontrole é porque sempre valorizamos muito mais o presente do que o futuro.

Se eu perguntar se você prefere ganhar R$ 100 agora ou R$ 110 daqui uma semana, o que você me responderia? Provavelmente você escolheria receber os R$ 100 hoje, por acreditar que é melhor ter um “pássaro na mão do que dois voando”, não é mesmo? E se eu perguntar se você prefere R$ 100 daqui um ano ou R$ 110 daqui um ano e uma semana? Certamente você escolherá a segunda opção. Observe como a pergunta é a mesma, porém em um ano parece que esperar por mais uma semana para receber R$ 110 é o melhor a se fazer. A diferença é que a nossa escolha de hoje envolve a emoção, enquanto decisões sobre o futuro não. O futuro está longe e é muito incerto.

Poupar para o futuro ou ser incapaz de fazê-lo é um ótimo exemplo de diferença emocional entre pensar no presente e pensar para aposentadoria, por exemplo.

LEIA MAIS: Como a economia comportamental pode mudar a sua vida

O psicólogo Walter Mischel acompanhou as crianças que participaram do experimento por um longo período e tirou conclusões valiosas disso. Aquelas crianças que resistiram ao delicioso marshmallow demonstraram maior autoestima, além de serem mais saudáveis e apresentarem um bom desempenho na escola e no trabalho. Então as crianças que não se controlaram e comeram não tiveram as mesmas chances de ter uma vida plena? Não é isso! Após anos de estudo, o psicólogo chegou à conclusão de que nosso autocontrole pode ser adquirido, sim!

A força de vontade pode ser cultivada. Além disso, se você internalizar suas metas, conseguirá manter o foco e, assim, alcançará seus objetivos de vida. A automotivação para realizar algo que gosta também afasta você das tentações. Experimente e verá!

O teste do marshmallow mostra a dificuldade que temos de “dar uma segurada”, mas se você mantiver o autocontrole, mesmo em momentos difíceis, o sucesso será garantido, inclusive nas finanças.

Me conta nos comentários se você conhecia o teste. Do contrário, acesse o link para assistir. Vale muito a pena!

Quer se aprofundar um pouco mais? O Walter Mischel escreveu um livro sobre o teste, acesse aqui.

Karina Scola Pescada é planejadora financeira pessoal CFP® da Foquemos Investimentos

Posts Relacionados

Finanças

Quanto é $uficiente para você?

Antes de mais nada, busque essa resposta através do significado que você dá ao dinheiro. Eu tenho um segredo. E esse segredo permitirá que você dobre sua renda em 12 meses com apenas mais cinco horas de trabalho por semana. Topa? Se você respondeu “sim”, quero lhe dar a oportunidade de triplicar esse valor em […]

LEIA MAIS
Sem categoria

O que há de certo comigo?

Foque em tudo que você tem de melhor para alcançar o seu propósito de vida. Você deve ter estranhado um pouco esta pergunta, não é? Infelizmente aprendemos a nos questionar: “o que há de errado comigo?” Geralmente, quando algo não está bom ou não está indo muito bem nos questionamos dessa forma, mas e se […]

LEIA MAIS