BLOG

Como a economia comportamental pode mudar a sua vida

Saber de que forma – e por que – gastamos é essencial para manter as contas em dia e conseguir realizar sonhos 

A economia comportamental é o campo de estudo que analisa o comportamento e a tomada de decisão do ser humano em relação ao seu dinheiro. As finanças comportamentais buscam compreender o que influencia as pessoas no momento da compra de determinado item. Ao adquirir uma bolsa, por exemplo, o que a motiva? Você já parou para pensar nisso?

O tema vem ganhando evidência nos últimos anos e está muito presente em importantes prêmios de economia realizado em todo o mundo. A economia tradicional diz que devemos gastar menos do que ganhamos e a economia comportamental busca entender por que essa reserva de dinheiro não é feita pela maioria das pessoas. Isso explica que nossas emoções nos fazem tomar decisões equivocadas e que, se agíssemos apenas com a razão, não compraríamos determinadas coisas. Melhor ainda: evitaríamos muito das dívidas que acumulamos.

Há um século, ou pouco mais, os estudiosos do tema – Daniel Kahneman e Amos Tversky –, descobriram que o comportamento das pessoas no momento da compra é 93% emocional e apenas 7% racional. Isso ocorre por vários fatores, como padrão de comportamento dos nossos familiares na infância e adolescência, influências sociais, primeiras emoções e crenças que desenvolvemos ao longo da vida.

Mas, então, como devemos controlar nossas emoções para tomar decisões mais assertivas e racionais?

Não é nada fácil driblar nossos impulsos quando se trata de dinheiro. Mas não entre em pânico: nas próximas linhas você vai descobrir como usar a psicologia financeira a seu favor:

  • Busque o autoconhecimento: quanto maior o entendimento de suas emoções e reações, mais fácil você conseguirá lidar com os impulsos e o descontrole financeiro. A mulher que busca se conhecer é capaz de elevar sua inteligência emocional e, consequentemente, de administrar muito melhor o seu dinheiro, não permitindo que as dores da vida definam a forma de ver e gastar o seu dinheiro. Tente avaliar as emoções que despertam a sua vontade de consumir;
  • Tenha objetivos de vida: não deixe que os prazeres imediatos destruam os seus sonhos para o futuro. Se não tivermos objetivos bem definidos, vamos ter que seguir no embalo de Zeca Pagodinho e deixar a vida nos levar. Você precisa definir objetivos de curto, médio e longo prazos para atingir suas metas. Se acha difícil, comece aos poucos. Tenha metas alcançáveis;
  • Invista em educação financeira: infelizmente, no Brasil, não aprendemos a lidar com o nosso dinheiro. Essa ausência de conhecimento faz parte da nossa cultura. Falar sobre isso ainda é algo mais presente apenas no universo masculino. Por isso, a maioria das mulheres não prioriza os cuidados com o seu próprio dinheiro. Olhe para sua saúde financeira com carinho! Cuidar do orçamento e investir deve ser uma extensão do seu “eu”. O conhecimento sempre renderá a você os melhores juros.

Quanto mais informações tivermos sobre o nosso comportamento financeiro, mais capazes seremos de administrar o que ganhamos ou temos. E, quanto antes começarmos, mais chances teremos de usar os nossos recursos com sabedoria.

Karina Scola Pescada é planejadora financeira pessoal e CFP® da Foquemos Investimentos

Posts Relacionados

Finanças Comportamentais

Efeito manada: fuja dele na hora de investir

Veja como se proteger e tornar sua vida financeira muito melhor Um dos vieses comportamentais mais comuns e prejudiciais na hora de investir o seu dinheiro é o efeito manada. A boa notícia é que é possível aprender como se proteger dele e transformar a sua vida financeira para que ela seja muito melhor. O […]

LEIA MAIS
Finanças Comportamentais

Qual a relação entre o teste do marshmallow e o seu dinheiro?

Experimento mostra o quão difícil é renunciar a um prazer imediato em troca de uma recompensa maior no futuro O teste do marshmallow foi uma série de experimentos realizados com crianças na década de 1960 por um psicólogo chamado Walter Mischel, na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos. Crianças de quatro a cinco anos foram […]

LEIA MAIS